Google+

17 de abr de 2010

Dodge Dart 1971: dirija-o e ame-o

Dodge Dart

No final da década de 60 os brasileiros passaram a ter uma nova opção na hora de trocar de carro. O luxuoso sedã da Chrysler chegava às lojas esbanjando charme e potência. O motor V8, com 318 polegadas cúbicas e potência superior aos 200 cv, criou um novo patamar de desempenho no país.



1971



318 V8

Paixão



Foto de época?


VÍDEO



No ano seguinte chegava a versão cupê, com um estilo mais agressivo. O clássico das fotos na cor vermelha (etrusco) é um representante da safra 1971 e chama a atenção pelo alto grau de originalidade. Os amigos mais próximos conhecem o modelo pelo apelido de Dr. Rodolfo, em homenagem ao saudoso Raul Cortez, que no filme “Roberto Carlos a 300 km/h” circula pela cidade a bordo de um exemplar idêntico a este.

Serginho, como é conhecido no Chrysler Clube, é o dono da máquina e me contou que o Dart chegou às suas mãos em 2008. “Eu sou o 3º dono. Ele foi retirado zero-quilômetro na extinta concessionária Autoserv, em Santo André”, revela. “Após passar um tempo em Guarulhos hoje está novamente emplacado e de volta à sua terra”, conta com orgulho.

Como já havia dito, o V8 nunca foi restaurado. “A pintura ainda é a de fábrica e a parte mecânica foi completamente revisada. O bloco foi repintado na cor azul firenze em Campinas”, salienta. Nesse ponto cabe uma homenagem. “Gostaria de deixar registrada a atenção inigualável do Sr. Duilio Menardi, que fez a revisão mecânica. Mesmo estando na cama de um hospital lutando contra o câncer, ficou muito preocupado em me entregar o carro a tempo. Foi seu último trabalho em vida. Ele nem chegou a vê-lo rodando novamente”, ressalta.

O proprietário me contou ainda que é um apaixonado pelos Darts da linha 1971-72 e já está de olho em outro exemplar. A paixão também passou de pai pra filha. “Outro fato que de certa forma me deixa muito feliz é que minha filha Laura de 4 anos ama de paixão o Dodge até diz para todo mundo que o carro é dela. Quando tem algum encontro ou evento e deixo de ir com ele pra ir com outro carro ela chega a chorar muito”, diz.

Curiosamente neste ensaio ocorreu algo completamente anormal. O tempo fechou de repente e a chuva veio com disposição. O que fazer? Essa é uma questão complicada em se tratando de automóveis antigos, mas o clássico tirou de letra. Fizemos os vídeos debaixo de muita água e o resultado ficou excelente.

Talvez tenha sido o zeloso mecânico citado três parágrafos acima que resolveu dar uma passadinha pra ver o resultado do seu trabalho em companhia de São Pedro. Mas tudo transcorreu bem. E o Dart fez bonito e deixou claro que dodgeiro é dodgeiro, até debaixo de chuva...
Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails