Google+

12 de jun de 2010

BMW 2002: recreation da Alpina é perfeito nos detalhes

BMW 2002

Resistência. Durabilidade. Eficiência máxima. A disputa nas 24 de Le Mans leva carros e pilotos ao limite, à fadiga e também à glória. Vencer nessa prova carismática e cheia de história (e estórias, apesar dessa palavra nem existir mais) é a verdadeira realização de um sonho....



Alpina Recreation



Weber








VÍDEO



Foi o que aconteceu em 1975, quando os três pilotos do Heidegger Racing Team pisaram fundo e conquistaram a vitória em sua categoria. A disputa foi dura contra outros modelos da BMW, Ford Capri e Mazda, mas a pequena equipe colocou seu nome do rol dos vencedores.

O clássico das fotos é um 2002 ti ano 1973. Adilson Castardelli e seu filho Cássio quiseram – justamente – fazer uma homenagem ao vencedor da endurance francesa. “Na verdade, o projeto de restauração foi fazer uma recreation da Alpina, já que tínhamos guardados há mais de 20 anos os quatro pára-lamas originais de fiber, a suspensão dianteira McPherson reforçada, o sistema de freios e vários componentes do motor originais da Alpina”, conta o pai.

“O objetivo também era replicar o modelo vencedor de Le Mans, inclusive com as cores originais do carro de corrida, e outros itens, tais como santo antônio, banco concha, etc”, diz. “Porém, no decorrer da restauração, optamos por uma versão Alpina de rua, para que pudesse ser usado no dia-a-dia”, enfatiza.

A idéia se tornou algo concreto em março de 2009, quando o carro foi comprado na cidade de São Roque. “Descobrimos que ele veio para o Brasil em 1975/76, trazido pelo Corpo Diplomático do Senegal e, posteriormente, teve outros dois donos”, conta.

“A restauração foi feita totalmente na ADILVOX MECANICA LTDA, demorou cerca de 15 meses e foi muito abrangente, desde a mecânica (motor refeito, câmbio) até a suspensão, direção, freios, tapeçaria e pintura”, ressalta.

TEST-DRIVE

O motor merece – muitos – comentários. Tive oportunidade de dirigir a máquina e o propulsor ronca como uma orquestra bem afinada, com dois carburadores Weber duplos horizontais e um belo acerto, despejando aproximadamente 140 cv brutos no asfalto. “E como tem uma ótima marcha lenta foi, inclusive, aprovado na inspeção veicular obrigatória”, salienta Adilson.

O ronco, como já disse, é contagiante. O clássico tem um ótimo comportamento e é gostoso de dirigir, com respostas rápidas e excelente visibilidade. Uma aceleradinha passando da primeira para a segunda marcha surpreende e o volante pequeno dá o toque de mestre ao estilo esportivo de guiar.

“Me considero um dos clientes mais fiéis da marca, já que tenho BMW desde 1973 e os meus quatro filhos saíram da maternidade a bordo de um deles, sempre o modelo 2002”, revela. E como a paixão por automóveis deve ser algo genético, nesse caso também podemos usar o velho provérbio que passa de geração em geração: “tal pai, tal filho”.
Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails